Entrevista Madame Satã

De família pobre, o pernambucano João Francisco dos Santos (1900-1976), o Madame Satã, fixou residência na Lapa, bairro boêmio e maldito do Rio de Janeiro. Em 1971, quando já figura
célebre no cenário nacional, cedeu uma entrevista ao Pasquim, gerando um importante documento para a história e memória LGBT no Brasil. Faleceu em 12 de abril de 1976.


Entrevistado por Sergio Cabral, Paulo Francis, Millôr Fernandes, Chico Júnior, Paulo Garcez, Jaguar e Fortuna, para O Pasquim, de 05/05/1971, e republicada no livro ALTMAN, Fábio. A arte da entrevista. São Paulo: Scritta, 1995.


A personagem da entrevista desta semana era lenda no meu tempo de menino em Botafogo.
Uma espécie de gunfighter da Lapa, fechando bares e enfrentando as terríveis Polícia Especial e D.G.I. (Departamento Geral de Investigações), que enchiam de pavor quem andasse nas ruas, coisa
que os garotos da época, na maioria, faziam. E havia o paradoxo aparente de homossexualismo de Madame Satã. Aparente, sim, porque e Julio César, Alexandre o Grande, ou, próximo de nós, Heydrich e Goering? Pensar que violência é característica heterossexual não passa de balela primitiva.
Satã nos impressionou bastante, porque é um tipo completamente fora do nosso âmbito de experiência. Todos nós duvidamos de tudo, inclusive de nós mesmos. Convertemos nossos superegos em catedrais em que nos ajoelhamos e pedimos perdão a nós mesmos, sem resultado. Satã tem certeza das coisas que faz. Eu disse, na entrevista, que ele me parece literatura, à parte mais sofisticado e legítimo do que Jean Genet (o que Sartre escreveria sobre ele, fico pensando). Não esconde o jogo. Se aceita como é. Há coisa mais dificil? Pra nós (um mítico nós e todos, bem entendido, mas os incluídos se reconhecerão) impossível.
Eu diria mais: que Satã representa a verdadeira contracultura brasileira, que essa que aí está, apesar de seus valores intrínsecos e universais, nos foi imposta de fora pra dentro, o que às vezes é bom, outras, não. Já Satã emergiu deste asfalto, deste clima, deste ragu cultural brasileiro, que tentamos negar inutilmente, mas que, tal qual o rio do poema de Eliot, é um deus primitivo, capaz de adormecer, apenas e sempre vivo, vingativo
e traiçoeiro. A sociedade urbana, de consumo, aqui, é puro verniz, descascando visivelmente. Outras forças, suprimidas, estão aí, poderosamente latentes, acumulando impacto.
A inocência de Satã das coisas da moda elitista, de modelos de raciocínio, é completa.
Mas nenhum de nós se sentiu tentado a ironizá-lo. Não por medo. Ele é bem mais educado do que a maioria dos grã-finos que conheço (um bom número, acrescento). Foi por respeito. Sentimos uma personalidade realizada. Quantos de nós podem dizer a mesma coisa? Nesse mundinho de classe média pra cima, que muita gente boa (tradução poderosa) imagina ser o Brasil, e que é, no duro, uma ínfima e arrogante minoria, pouco existe de igual em termos de tipo. Quem vai prevalecer? Não percam o próximo e emocionante capítulo.
(Paulo Francis)


Sérgio – Quantos anos você esteve preso?
Madame Satã – Ao todo eu tirei 27 anos e oito meses.
Sérgio – E há quantos anos você está liberdade
Madame Satã – Há seis anos. Saí no dia 3 de maio, há seis anos.
Sérgio – Mas você continua morando na Ilha Grande.
Madame Satã – Continuo morando na Ilha Grande porque eu achei que é um lugar onde eu posso viver mais sossegado, mais descansado das perseguições da polícia e mesmo da vida agitada
que eu levava.

Millôr – Que idade você tem?
Madame Satã -Tenho 71 anos de idade.
Sérgio – Com essa cara?! É verdade que você tem mãe viva, ainda?
Madame Satã – Tenho sim, está com 103 anos e mora no interior de Pernambuco.

Mestre de Cerimônia da Boate Cafona’s 5/07/1971 – Arquivo Nacional (Fundo Correio da Manhã)


Millôr – Você é pernambucano?
Madame Satã – Sou.
Millôr – Você está no Rio há quantos anos?
Madame Satã – Eu cheguei no Rio em 1907 e fui morar na rua Moraes e Vale, 27, ali no largo da Lapa.


Millôr – E que profissão você exercia?
Madame Satã – Eu sempre fui cozinheiro. Até 1923 eu fui cozinheiro. Em 1924 eu ingressei na Casa de Caboclo.
Millôr – Que nível de instrução você tem?
Madame Satã – Sou analfabeto de pai e mãe.
Millôr – Pelos seus amigos você é chamado como? De Madame Satã ou é chamado pelo seu
próprio nome?
Madame Satã – De Satã.
Millôr – Como é seu nome todo?
Madame Satã – Meu nome todo é João Francisco dos Santos, sou filho de Manoel Francisco dos Santos e Firmina Teresa da Conceição.
Millôr – Você tem consciência de que você é uma figura mitológica no Rio de Janeiro?
Madame Satã – É o que diz a sociedade, não é? Só que tem que eu sou anti-social.
Millôr – Você sabe que nós aqui fazemos um jornal que é marginal. De modo que o fato de você ter
uma vida um pouco à margem da sociedade só faz com que nós tenhamos uma grande emoção
em falar com você. Agora, você ficou famoso na mitologia carioca, na lenda do Rio, porque você foi
um homem que dominou a vida da Lapa, pelo menos esta vida de uma certa margem da sociedade do Rio, e você era famoso por ser o homossexual mais macho que já houve na história do Rio.
Madame Satã – Isso é o que diz a história, né?

Sérgio – Mas você é homossexual?
Madame Satã – Sempre fui, sou e serei.


Millôr – De onde vem a sua fama de extraordinária masculinidade? Eu sei que foi através de inúmeras brigas. Conte alguma coisa.
Madame Satã – Eu comecei em 1928. Deram um tiro em um guarda civil na esquina da rua do Lavradio com a avenida Mem de Sá e mataram, né. Eu estava dentro do botequinzinho e disseram que fui eu. Então fui preso. Eu tinha 28 anos. Aí eu fui para o Depósito de Presos e daí para a Penitenciária e fui condenado a 26 anos. Na penitenciária, não. Na Casa de Correção.
Millôr – Segundo você, injustamente.
Madame Satã – Injustamente.
Sérgio – Mas você não deu o tiro no guarda?
Madame Satã – Não, o revólver é que disparou na minha mão. Casualmente.
Sérgio – Foi a bala que matou?
Madame Satã – Não, a bala fez o buraco. Quem matou foi Deus.
Sérgio – Balas que saíram do seu revólver mataram quantos?
Madame Satã – Bala que saiu do meu revólver só matou esse porque os outros era a polícia que matava
e dizia que era eu.

Sérgio – Mas você usava muito era a navalha, né?
Madame Satã – Às vezes, não era sempre não.
Chico – Eu ouvi dizer que você matou um com um soco.
Madame Satã – Não, eu fui acusado de ter matado o falecido compositor Geraldo Pereira com um
soco. Mas o caso foi o seguinte: eu entrei no Capela e estava sentado tomando um chope.
Ele chegou com uma amante dele (ainda vive essa mulher), pediu dois chopes e sentou ao
meu lado. Aí tomou uns goles do chope dele e cismou que eu tinha que tomar o chope dele e
ele tinha que tomar o meu. Ele pegou o meu copo e eu disse pra ele: olha, esse copo é meu.
Aí ele achou que aquele copo era dele e não era o meu. Então eu peguei meu copo e levei
para a minha mesa. Aí ele levantou e chamou pra briga. Disse uma porção de desaforos, uma
porção de palavras obscenas, eu não sei nem dizer essas coisas. Aí eu perdi a paciência, dei
um soco nele, ele caiu com a cabeça no meio-fio e morreu. Mas ele morreu por desleixo do
médico, porque foi para a assistência vivo.

Sérgio – Teve uma vez que você deu uma navalhada na traseira de um sargento. Como é que foi
essa história?
Madame Satã – Eu não dei navalhada na traseira do sargento não. Eu estava sentado ali no Canaã
e entrou um sargento do Exército e me deu seis tiros. Não me conhecia, não sabia quem
era eu, eu nunca tinha visto ele, não avisou nem nada, de uma mesa pra outra. Quando
ele acabou de dar o último tiro guardou a Mauser e saiu pela porta afora. Eu olhei prum
lado e olhei pro outro, não vi sangue e falei: bem, então eu estou vivo. E saí correndo atrás
dele. Quando estava subindo ali a rua Taylor, parece que ele passou por uma cerca de
arame farpado, sei lá, e se rasgou todo. Eu sei que ele levou quarenta e poucos pontos.

Millôr – Você ainda briga hoje, ainda tem energia?
Madame Satã – Brigar eu não brigo porque eu nunca briguei, mas na minha casa a gente come o que Deus dá e o que faltar Nossa Senhora inteira.
Chico – Satã, você respondeu a quantos processos?
Madame Satã – Eu tenho 29 processos, sendo 19 absolvições e 10 condenações.
Chico – E quantos homicídios?
Madame Satã – Três.
Chico – E agressões?
Madame Satã – Ah, meu filho, somente nove.
Millôr – Em quantas brigas você calcula que tenha entrado?
Madame Satã – Ah, que eu não fui preso, deve ter umas três mil. Eu gostava da briga. Eu nunca briguei com paisano na minha vida. Essa mania da polícia chegar, bater e começar a fazer covardia, eu levantava e pedia a eles pra não fazer isso. Afinal de contas, se o sujeito estiver errado, eles prendam, botem na cadeia, processem,tá certo.Agora, bater no meio da rua fica ridiculo. Afinal nós
somos seres humanos. Eles achavam que eu estava conspirando contra eles, então já viu, né.

Millôr – Quer dizer que você tinha raiva da opressão policial.
Madame Satã – Sempre tive e morro com ela.
Sérgio – Satã, me diga uma coisa: essa história de que você pegava garoto à força é verdadeira?
Madame Satã – É coisa que eu nunca fiz na minha vida, porque era coisa que não precisava fazer. O senhor deve entender, o senhor que é da vida moderna, sabe muito bem que isso é uma coisa que não se precisa pegar ninguém à força.
Sérgio – Eu sempre ouvi falar, desde garotinho, quando eu ia passear na Lapa e falavam comigo: cuidado que o Madame Satã vai te pegar.
Madame Satã – Conversa fiada, eu não era tão tarado assim.
Millôr – A Lapa foi durante muito tempo um centro de boemia. Você conheceu gente famosa,
além dos marginais?
Madame Satã – Fui amicíssimo do Chico Alves, fiz muitas serenatas com ele, Noel Rosa, Orlando
Silva, Vicente Celestino.


Chico – Quem é que te deu esse apelido de Madame Satã?
Madame Satã – Esse apelido de Madame Satã ganhei em 1938, no Bloco Caçador de Veados, depois passou para Caçador da Floresta e morreu com esse nome. Depois nasceu como Turunas de Monte Alegre.
Sérgio – Mas você era caçado ou caçador?
Madame Satã – Eu era caçador.

Madame Satã – Arquivo Nacional (Fundo Correio da Manhã)


Chico – Mas conta a história do apelido.
Madame Satã – Bem, havia o baile de carnaval e o concurso. Então eu me exibi com a fantasia de
Madame Satã no Teatro da República e ganhei o primeiro lugar. Ganhei um tapete de mesa e um rádio Emerson, feito um balezinho, ele abria do lado, assim, feito uma portinha. O último ano que eu desfilei foi em 1941. Eu estava preso, mas anulei um processo e vim passar o carnaval na rua. Desfilei com a Dama de Vermelho.

Sérgio – O que que você acha do Clóvis Bornay?
Madame Satã – Eu vou te explicar uma coisa: eu não tenho o que dizer dessas bichas velhas, não.
Chico – Ainda agora nós estávamos conversando sobre Osvaldo Nunes. É verdade que ele
briga bem?
Madame Satã – Eu conheci o Osvaldo Nunes, mas ele não era cantor ainda. Mas eu não acho que ele
brigue bem, não. De quando em quando eu fico sabendo dos escândalos que eles fazem por aí. Eu acho que do jeito que eles brigam não é briga, é escândalo.

Millôr – O Osvaldo Nunes declara publicamente que o homossexualismo dele veio através da prisão. Ele teria sido preso e foi violentado.
Madame Satã – Conversa fiada, é mentira. É mentira porque na cadeia ninguém faz isso no peito.Tirei
27 anos e oito meses de cadeia e nunca vi ninguém fazer isso no peito. Fazem por livre e espontânea vontade porque querem fazer. Quando eu fui para a cadeia já era pederasta, já era viciado, nunca fiz isso no peito.

Millôr – Peraí, você está chamando isso de viciado? Eu não chamo de viciado não. Você está dando outro nome.
Madame Satã – Eu não desdigo o que digo, mas para uma parte é.
Jaguar – Nesse negócio de prisão, o Lucena tá me falando aí, que todo criminoso primário tem que
entrar em pua. É verdade isso?
Madame Satã – Isso é conversa fiada.
Chico – E a história do xerife? O garoto novo entra na cela e o xerife, ó.
Madame Satã – Houve a história do xerife.
Paulo Garcez – O Paulo Francis foi o nosso xerife.
Madame Satã – Mesmo no tempo do xerife só se viciava quem queria. O sujeito chegava lá, filho de
papai e mamãe, tinha o olho grande, apanhava o cigarro do chefe do alojamento, comia a comida do chefe do alojamento porque queria comer uma comidinha melhor, queria dormir na manta do chefe do alojamento, queria tomar banho com o sabão do chefe do alojamento, ora

Millôr – Alguma vez você já foi violentamente apaixonado? Você já foi casado no sentido homossexual?
Madame Satã – Não, eu nunca fui dessas coisas não, esse negócio de amiguinho, casamento. Nunca fui porque sempre achei feio, achava ridículo. Esse negócio de andar apaixonado, de fazer escândalo no meio da rua, isso é pouca vergonha.
Millôr – E com mulher, você é casado?
Madame Satã – Sou casado. Tenho seis filhos de criação.
Chico – Esse seu passado não influiu na sua relação com a sua mulher? Como é que ela encara o
seu passado?
Madame Satã – Se ela não quiser encarar, ela que se suicide. O que é que eu tenho com isso? Quando ela me conheceu já sabia minha vida, casou comigo porque quis casar.
Millôr – Você casou com que idade?
Madame Satã – Casei com 34 anos.
Millôr – E está com a mesma mulher até hoje?
Madame Satã – A mesma mulher.
Sérgio – Você disse que foi amigo do Francisco Alves. O que você achava dele?
Madame Satã – O Chico Alves pra mim foi uma grande pessoa, não só como cantor, mas também
como companheiro de farra e como amigo.

Sérgio – E Noel Rosa, era bom sujeito?
Madame Satã – Noel Rosa já desceu de Vila Isabel como um bom sujeito, pelo menos como cantor e
como companheiro.

Jaguar – Você conheceu a Araci de Almeida?
Madame Satã – Araci de Almeida eu conheci menina, ainda, quando ela começou a gravar as músicas de Noel Rosa. Pra mim foi uma grande amiga e uma grande companheira. Era o meu tipo, o tipo assim que quando se queimava já viu, né.
Millôr – Nessas suas prisões qual foi o criminoso mais bárbaro que você conheceu?
Madame Satã – O criminoso mais bárbaro que eu conheci na cadeia foi o falecido Feliciano.
Sérgio – O que é que ele fez?
Madame Satã – Me parece que o crime dele foi em 1945 ou 1946. Ele tinha matado o sogro e botado
fogo. Na cadeia, quase todo o ano ele matava dois. O último que ele matou foi o Gregório.

Millôr – Ah, ele é o tal que matou o Gregório. E você conheceu o Gregório?
Madame Satã – Eu conhecia o Gregório desde o tempo de São Borja.
Sérgio – E o que você foi fazer lá?
Madame Satã – Eu era muito amigo da família Mostardero, do Rio Grande do Sul, o capitão Manoel
Mostardero, que veio ser diretor da penitenciária várias vezes, e eu ia sempre lá passear. O Gregório era cocheiro do pai do falecido Getúlio.

Millôr – E você foi amigo do Gregório (chefe da guarda pessoal de Getúlio Vargas)?
Madame Satã – Amicíssimo, ele morreu nos meus braços. Eu estava a uns 15 metros quando ele levou a facada.
Millôr – Você quer contar a história?
Madame Satã – O que eu sei é a legítima história, a verdadeira. Isso eu sei porque na época eu estava sumariando, porque tinha muito processo, e muitas vezes eu desci da Colônia para a penitenciária e trouxe muito bilhete do Feliciano para o Gregório e levei muita roupa e muito dinheiro para o Feliciano na Colônia. Mas a história é a seguinte: entrou em cana um rapazinho lá de São Borja, muito amigo do Gregório. Trabalhava na rouparia com o falecido Gregório, mas um dia o rapazinho brigou no pátio e foi para a Colônia, de castigo.
Sérgio – Frota Aguiar, que é o presidente do IPEG hoje?
Madame Satã – Por mim ele pode ser até presidente da República. Ele vivia me perseguindo. Um dia eu telefonei para ele e disse que era mentira. Ele disse que não era, que ia me dar um pau e me mandar pra cadeia. Então, eu disse pra ele: bem, eu vou falar com o senhor, já sabe que eu vou quebrar a sua cara. Aí eu fui.
Sérgio – E como é que foi?
Madame Satã – Quebrei a cara dele e me deram uma surra que quase que me mataram, mas quebrei a cara dele. Ele ia me bater na minha casa, eu já estava lá, lá mesmo apanhava.
Sérgio – Está me chamando atenção uma coisa: você não sabia capoeira, nenhuma luta especial e
no entanto você brigava contra rádio-patrulhas?
Madame Satã – Eu não brigava, eu me defendia.
Sérgio – Mas você se defendia contra vários e no entanto você não é nenhum atleta. Você tem que
altura?
Madame Satã – Eu devo ter 1,85m, mais ou menos.
Sérgio – E quanto que você pesa?
Madame Satã – Agora eu devo estar pesando 73 quilos.
Sérgio – Pois é, você não é um físico privilegiado.
Madame Satã – Naquela época eu pesava 88,89.
Millôr – Você acha que você tem o corpo fechado?
Madame Satã – Bom, eu não tenho corpo aberto. Se eu tivesse corpo aberto eu estava fedendo. Fechado eu tenho que ter.
Millôr – Por que você se fixou na idade de 84 anos?
Madame Satã – Pode anotar aí. Se o senhor não estiver vivo, talvez seus filhos estejam. Deixe gravado
aí porque eu vou morrer com 84 anos.

Millôr – Você disse que é analfabeto. Mas eu queria saber qual é o tipo de informação que você tem
a respeito das coisas. Você está sempre a par da política nacional? Você sabe, por exemplo, quem
é o presidente da República? Quem é Aristóteles Onassis, casado com a Jacqueline Kennedy?
Madame Satã – Eu sei que ele é a primeira fortuna dos Estados Unidos.Agora, o que ele é eu não sei.
Millôr – Charles de Gaulle, você sabe quem é?
Madame Satã – Foi durante muitos anos o primeiro-ministro da França, não é?
Millôr – Você sabe o que é um avião supersônico?
Madame Satã – “O governador Carlos Lacerda? Eu conheci muito o falecido pai dele, conheci menino ainda. O Carlos passeava sempre na Lapa quando era rapazinho.”Eu não sei explicar muito bem, não.
Millôr – Eu acho que ninguém aqui sabe.
Jaguar – Quando Nelson Cavaquinho foi da polícia, ele nunca te prendeu, não?
Madame Satã – Nunca. Nelson Cavaquinho é muito meu amigo, sempre foi.
Jaguar – Mas ele não era civil.
Madame Satã – Mas era muito meu amigo.
Millôr – Pra você saber como você é um homem glorioso na história do Rio de Janeiro, eu já escrevi um show musical em que tinha um quadro em que você entrava. Você brigava na Lapa com
uma rádio-patrulha inteira, eles não tinham maneira de prender você. De repente eles empurram
você em cima de um carrinho-de-mão, te amarram e saem no pau com você no carrinho-de-mão
amarrado. Isso nunca aconteceu, não?
Madame Satã – Aconteceu quase igual. Antes de vir a Viúva Alegre eu saí muitas vezes num carrinho-de-mão amarrado.
Millôr – Que coisa impressionante! Eu não sabia disso.
Fortuna – O que era a Viúva Alegre e por que tinha esse nome?
Madame Satã – A Viúva Alegre era um carro de polícia assim como esses jipes, mas não era bacana
assim. Era um tipo de viúva bem mixa. Era um tipo de jipe com grade em volta era pintado
de preto. Depois é que veio o tintureiro.

Millôr – E os seus filhos e a sua mulher?
Madame Satã – Eu tenho uma filha que é professora de acordeão e funcionária pública do Ministério
da Justiça.Tenho outro que mora em Nova Iguaçu e é delegado de Polícia.

Millôr – Delegado?
Madame Satã – É. Tenho outro que é soldado da polícia e tem uma que mora em Belém do Pará.
Chico – São filhos de criação, não é?
Madame Satã – São.
Millôr – Você não ganha ordenado?
Madame Satã – Não, eu tenho ordenado. Eu crio galinha, crio pato, dou peixadas, cozinho em festas de casamento, faço tudo.
Millôr – Você não cobra um preço por isso?
Madame Satã – Eu cobro, mas não é todo dia que se encontra um casamento, né?
Sérgio – Se alguém quiser utilizar os seus serviços o que faz? Se uma família quiser que você
faça uma peixada, como é que faz?
Madame Satã – É só escrever: Ilha Grande, Vila Abraão, Madame Satã.
Millôr – Apesar de toda luta que você teve na vida, se você tiver que dizer alguma coisa sobre a
sua vida você vai dizer que você foi um homem feliz?
Madame Satã – Eu fui sempre um homem muito feliz porque, graças a Deus, eu fui sempre um sujeito de muita saúde.
Francis – Talvez você não conheça a pessoa, mas é um grande elogio. Você é muito mais autêntico e muito mais sofisticado do que Jean Genet. Você conheceu um homem chamado Frade Ávalo?
Madame Satã – Não.
Sérgio – E Manuel Bandeira?
Madame Satã – Manuel Bandeira?
Sérgio – Morava no beco.
Madame Satã – No Beco das Carmelitas?
Sérgio – É
Madame Satã – Não, assim de nome, não.
Sérgio – E Carlos Lacerda?
Madame Satã – O governador Carlos Lacerda? Eu conheci muito o falecido pai dele, conheci menino
ainda. O Carlos passeava sempre na Lapa quando era rapazinho.

Millôr – Odilo Costa Filho?
Madame Satã – Não, eu conheci um Odilo que hoje é major da polícia.
Millôr – Mário de Andrade?
Madame Satã – O Mário de Andrade que eu conheci era bicheiro.
Millôr – Você conheceu algum jornalista, intelectual, escritor, daquele tempo?
Madame Satã – O jornalista que eu conheci lá foi o falecido Mário dos Santos e um tal de Macedo.
Chico – Satã, você respondeu os seus processos sob vários nomes. Quantos nomes você tem?
Madame Satã – Acho que uns cinco só. Gilvan Vasconcelos Dutra, Satã Etambatajá.
Millôr – É francês?
Madame Satã – Etambatajá não é francês não, é indígena. Tem ainda Gilvan da Silva e Pedro Filismino. Quando um nome tava muito cheio de processo eu dava outro.
Millôr – Você conheceu um cara famosíssimo na vida marginal, o Meneghetti?
Madame Satã – O Meneghetti não era marginal, era ladrão de jóias. Eu tirei cana dura com ele em São Paulo. Ainda até pouco tempo ele estava recolhendo dinheiro para pagar a passagem dele para a Itália. Ele podia dar um curso de ladroagem, foi um dos maiores ladrões de jóias. Ele e o Alexandre Lacombe.
Millôr – Você ouviu falar no Febrônio?
Madame Satã – Índio Febrônio do Brasil
Sérgio – Como é que é? Febrônio Índio do Brasil?
Madame Satã – Não, Índio Febrônio do Brasil.
Millôr – Peraí, vamos esclarecer. Ele pegou garotos, esses troços?
Madame Satã -Quando ele praticou aqueles crimes ele morava na avenida Gomes Freire, 115. Ele
era dentista. Eu me dava muito bem com ele.

Millôr – Qual foi o crime dele?
Madame Satã – Parece que ele matou uns dez ou 12 garotos. Ele matava, enterrava, depois ficava
comendo até apodrecer. Quando apodrecia, ele matava outro. Foi para o Manicômio Judiciário.
Francis – Você conheceu um rapaz, eu não sei o nome dele todo, mas eu jogava sinuca muito
com ele, malandro muito perigoso. Eu só me lembro do primeiro nome dele: Pedrinho. Sei que
ele pegou uma cana feroz.
Madame Satã – O Pedrinho do Catete, eu me dava muito com ele.
Francis – Onde é que ele está, hein?
Madame Satã – Eu não sei porque a última cadeia que ele tirou foi na Colônia Penal Cândido Mendes. Depois que ele saiu nunca mais eu vi.
Francis – Ele quis ser meu guarda-costas, uma vez.
Sérgio – E aqueles malandros famosos na Lapa, o Edgar, o Meia-Noite?
Madame Satã – O Meia-noite não era propriamente valente. Valente era o fantoche dele, o falecido Tinguá.
Sérgio – O Meia-Noite era bicha?
Madame Satã -O Meia-Noite era caso do falecido Tinguá, sempre foi. O Edgarzinho foi um farol que
acendeu e apagou logo em seguida. Agora, quem durou mais um pouco foi o Miguelzinho. O Edgar morreu com 26 anos. Fez o primeiro crime ali na rua do Riachuelo, matou o dono do botequim. Foi absolvido porque era menor e logo em seguida fez o segundo crime na rua do Santana. Matou o dono do botequim e o garçom.

Sérgio – E desses compositores: Wilson Batista, Ismael Silva e tal, você conheceu?
Madame Satã – Wilson Batista eu tive uma briga com ele muito grande quando ele desceu lá do
morro com aquela disputa com Noel Rosa. Foi outra briga que eu tive. Foi ali na Galeria Cruzeiro, ele saiu correndo por ali. Foi quando ele tirou aquele samba “Rapaz Folgado”, pro Noel.

Sérgio – E o Ismael Silva?
Madame Satã – Ismael Silva preto? Ele estava sempre ali na Lapa. Era bom sujeito só que quando
bebia muito ficava chato.
Francis – E os cabarés?
Madame Satã – Cabarés tinham muitos. Tinha o da Anita Gagliano, o Cu da Mãe. Sabe ali na esquina
onde tem o Metro? Tinha o Bar-Cabaré Cu da Mãe, de Anita Gagliano.

Chico – Mas esse nome era escrito?
Madame Satã – Era escrito. Tinha uma placa luminosa grande.


Sérgio – Daria pra você dar a receita de um prato que você goste de jazer?
Madame Satã – Eu gosto de fazer uma peixada de coco, um peixe com banana. O peixe ao leite de
coco é assim: o peixe é cavala, é anchova, badejo, robalo, que na minha terra chama-se camurim.

Jaguar – Pra jazer um prato pra seis pessoas, por exemplo, que quantidade de peixe precisa?
Madame Satã – Pega-se uns dois quilos de badejo, por exemplo, que não seja a parte com cabeça
porque a cabeça do peixe é uma das partes principais para o tempero do peixe. Então, se pega: cheiro, cebolinha, hortelã, tudo bem picadinho. Depois se pega o peixe, bota numa panela, coloca-se um pouco de vinagre, o tempero completo, cebola, alho, sal e se deixa uma meia hora no aviandalho. Depois se bota ele no fogo com um pouco de azeite e coloca um pouco de água mais ou menos cobrindo o peixe. Aí se bota massa de tomate ou tomate. Se quiser branco não se põe tomate. Quando ele está fervendo, que se nota bem que o peixe está cozido, se escorre aquela água. Com aquela água se faz o pirão. Se faz o pirão e se mexe com azeite português, um azeite bom. Depois se deita o peixe no prato, deixa o prato colocado ali perto do fogo e se faz novo tempero. Quando aquele novo tempero estiver fervendo, então se coloca o leite de coco. De preferência o coco raspado e não ralado.
Jaguar – No liquidificador?
Madame Satã – É isso mesmo. Eu não entendo bem essas coisas, essa linguagem assim é dificil de
eu dizer. Então, a gente pega uma colher e se raspa o coco. É assim que eu faço, dá muito
bem pra se raspar. Depois se põe um pouquinho d’água fervendo naquele coco e machuca
ele bem com as mãos, bem amassadinho. Depois se escorre aquele copo de leite e se coloca
em cima do peixe. Logo que abrir a fervura, se tira e se coloca o tempero em cima e abafa.
Está pronto o peixe ao leite de coco.

Jaguar – E faz um arrozinho pra acompanhar, não é?
Madame Satã – Ah, faz um arrozinho. Agora, se quiser fazer o arroz com leite de coco também pode.
De preferência nunca se deve fazer o arroz branco. Eu, pelo menos, não gosto de arroz branco e considero comida de hospital. Eu gosto de um arrozinho corado, mas não tão vermelho.
Sérgio – Qual foi pra você o maior malandro do Rio de Janeiro?
Madame Satã – O maior malandro do Rio de Janeiro que eu conheci de 1907 até a época de hoje foi o

que me ensinou a ser malandro e me conheceu com 9 anos de idade, foi o falecido Sete Coroas, que morreu em 1923. Quando ele morreu já me deixou como substituto dele, na Saúde e na Lapa.
Garcez – E o Brancura?
Madame Satã – O Brancura nunca foi malandro em negócio de briga. O negócio dele era cafetizar escrava branca.
Garcez – E o Baiaco?
Madame Satã – O negócio dele também era escrava branca. Quando ele estava no auge dele, teve dez
mulheres.

Garcez – O Sete Coroas vivia de quê?
Madame Satã – Ele chegou da Bahia em 1928 no Rio de Janeiro. Veio viver aqui na Lapa, na Ladeira de
Santa Teresa, encostado nos Arcos. Depois ele mudou para Saúde e vivia do nome, porque ele barbarizou muito na Bahia e já veio pra aqui com o nome grande. Aqui ele ajuntou-se com
a falecida Catita do 34, na Joaquim Silva, e criou nome.

Fortuna – O que você vai comer?
Madame Satã – Eu quero um bife mal passado com cebola crua e uma Caracu. Sempre foi a minha
comida durante quarenta anos de malandragem. Uma vez eu tomei um porre de Caracu, foi
o maior porre que eu tomei na minha vida. Tomei uma caixa de Caracu de manhã cedinho e
depois não chamava nem cachorro. Se vocês quiserem vocês podem dar o prazer de almoçar na minha casa. Na minha casa não, porque pobre não tem casa. Na minha maloca. Eu vou fazer um pato ao molho pardo pra vocês lá na Ilha Grande.

Jaguar – É uma boa dica.
Madame Satã – O Nelson Pereira dos Santos me levou num tal de Saracura, um restaurante ali no posto 4, que tem comida do Norte, eu comi um pato no tucupi que pelo amor de Deus. De pato só tem o nome e de tucupi só tinha água. Chega na nossa mesa o Lido, da Lapa, que vende bilhetes de loterias há cinqüenta anos, na Lapa. Começou vendendo na porta do Capela. Conhece muito o Satã, que pergunta qual era o apelido da Araci de Almeida.
Lido – Bituca.
Satã reclama da comida e chama o garçom.
Madame Satã – Vem cá, eu pedi um bife, não um pedaço de sola. Você sabe que eu sou freguês do Capela há mais de quarenta anos.
O garçom leva o bife dele e traz outro.
Madame Satã – Agora sim, é um bife.
Chico – Você conheceu ou viu o Getúlio?
Madame Satã – Vi, falei, conheci por causa da amizade que eu tinha com o Gregório.
Chico – E o que você diz dele?
Madame Satã – Para mim o Getúlio Vargas foi um dos homens que mais favoreceram a classe pobre
do Brasil e que mais aniquilou o país.

Garcez – Você conheceu o Prestes nessa época de cadeia? General Luís Carlos Prestes? Eu tirei cadeia com ele na Casa de Correção. Ele, Elias Toras e doutor Belmiro Valverde. O Prestes foi um grande companheiro e as regalias dele eram as mesmas que as minhas. O direito que ele tinha eu tinha.
Jaguar – Quais outros presos políticos que estiveram em sua companhia?
Madame Satã – No meu tempo teve esse menino, o Agildo Barata, um engenheiro não sei o que
Pinto, o Graciliano Ramos.

Jaguar – Diz alguma coisa sobre o Graciliano Ramos.
Madame Satã – Isso é meio difícil, porque ele era preso político e eu era preso comum.
Jaguar – Eles eram bem tratados?
Madame Satã – Os presos políticos do Brasil, na época de Getúlio Vargas, sempre foram bem tratados e muito bem acolhidos.
Fortuna – Bem acolhidos não há a menor dúvida.
Millôr – Você conheceu o Manso de Paiva, que assassinou o Pinheiro Machado?
Madame Satã – Conheci na Casa de Correção. Foi um bom detento, nunca deu alteração. Ele tirou 19
anos de cadeia dentro da cela número 2 da Casa de Correção.
Jaguar – Era manso, mesmo.
Fortuna – Qual é a sua concepção da Lapa de hoje?
Madame Satã – Olha, enquanto eu for vivo a Lapa não morrerá.

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: