Série Todo Tempo do Mundo

A série TODO TEMPO DO MUNDO é um spin-off de “EU TE AMO RENATO”. O ano é 2006. Dez anos após um encontro que marcou a vida de Beto (Felippe Vaz) e André (Vinicius Moulin), a vida segue fora do eixo na capital. O underground carioca permeia os caminhos de Beto, que perto dos seusContinuar lendo “Série Todo Tempo do Mundo”

#EuFaçoCultura

Resgate o seu livro Museologia LGBT: Cartografia das memórias LGBTQI+ em acervos, arquivos, patrimônios, monumentos e museus trangressores! de graça!

#Pré-venda Museologia LGBT: cartografia das memórias LGBTQI+

Museologia LGBT: Cartografias das Memórias LGBTQI+ em acervos, arquivos, patrimônios, monumentos e museus transgressores.

Museus, Memórias e Museologia LGBT + Feminismo

Museus, Memórias e Museologia LGBT + Feminismo | Edição 12 | Revista Memória LGBT + Feminismo

Chamada para artigos – Cadernos de Sociomuseologia – Corpo, Gênero e Dissidências nos Museus e na Museologia

Chamada de Artigos

Memórias e Patrimônios LGBT

A Revista Ventilando Acervos lançou sua nova edição com o tema Memórias e Patrimônios LGBT! A presente edição é a materialização das memórias do IV Seminário de Política de Acervos – Memórias e Patrimônios LGBT. O evento foi realizado pelo Museu Victor Meirelles, de 4 a 6 de novembro de 2019, em Florianópolis. Leia aContinuar lendo “Memórias e Patrimônios LGBT”

Ser Gay na Favela

Existem ainda aqueles invisibilizados, marginalizados
e ao longo do tempo banalizados, como Madame Satã e todos aqueles gays residentes em periferias em âmbito urbano e/ou rural.

O Diabo de Mário de Andrade: avanços e riscos para a memória LGBT a partir do debate sobre a sexualidade de Mário de Andrade

Ao refletir sobre os dois retratos que dele foram feitos, Mário de Andrade conclui: ao passo que Portinari teria captado apenas “a parte do Anjo”, Lasar Segall projetara “o que havia de perverso em mim”, ou seja, “a parte do Diabo”. E quando comparadas as pinturas, percebe‑se a que Diabo delicado, sinuoso, sensual, divertido e triste ele estava se referindo. Nesse contraponto e nas alegorias que usou para se explicar, percebemos tensão dicotômica, medo e sofrimento que perseguiram Mário ao longo de sua vida – e o perseguem até hoje.