#Pré-venda Museologia LGBT: cartografia das memórias LGBTQI+

Museologia LGBT: Cartografias das Memórias LGBTQI+ em acervos, arquivos, patrimônios, monumentos e museus transgressores.

Ser Gay na Favela

Existem ainda aqueles invisibilizados, marginalizados
e ao longo do tempo banalizados, como Madame Satã e todos aqueles gays residentes em periferias em âmbito urbano e/ou rural.

Entrevista Madame Satã

De família pobre, o pernambucano João Francisco dos Santos (1900-1976), o Madame Satã, fixou residência na Lapa, bairro boêmio e maldito do Rio de Janeiro. Em 1971, quando já figura
célebre no cenário nacional, cedeu uma entrevista ao Pasquim, gerando um importante documento para a história e memória LGBT no Brasil. Faleceu em 12 de abril de 1976.