Chamada para artigos – Cadernos de Sociomuseologia – Corpo, Gênero e Dissidências nos Museus e na Museologia

Chamada de Artigos

O Diabo de Mário de Andrade: avanços e riscos para a memória LGBT a partir do debate sobre a sexualidade de Mário de Andrade

Ao refletir sobre os dois retratos que dele foram feitos, Mário de Andrade conclui: ao passo que Portinari teria captado apenas “a parte do Anjo”, Lasar Segall projetara “o que havia de perverso em mim”, ou seja, “a parte do Diabo”. E quando comparadas as pinturas, percebe‑se a que Diabo delicado, sinuoso, sensual, divertido e triste ele estava se referindo. Nesse contraponto e nas alegorias que usou para se explicar, percebemos tensão dicotômica, medo e sofrimento que perseguiram Mário ao longo de sua vida – e o perseguem até hoje.

Das luzes do Lampião da esquina – Nossas memórias e histórias

Em fins de 1977, um grupo de jornalistas, intelectuais e artistas se reúne na casa do pintor Darcy Penteado em São Paulo. O ponto embrionário desse encontro teria sido a entrevista que João Antônio
Mascarenhas, na época colunista do Pasquim, havia feito com Winston Leyland, editor do Gay Sunshine, publicação americana dirigida a homossexuais.

Já parou para pensar que a sua boate pode ser tombada?

Vamos citar a história do Cine Ideal! Uma boate que (infelizmente) recentemente fechou suas portas
(#todaschoram) e que tem uma longa história por trás do seu nome, do seu espaço e do próprio termo pelo qual era intitulado: “Templo da House Music”.

Chamada para Publicação: As Memórias LGBT em tempos de COVID-19

O tema proposto, visa refletir sobre a preservação dos vestígios, histórias e indicadores de memória de Lésbicas, Travestis, Transexuais, Intersexuais, Bissexuais, Gays e Queers durante a pandêmia Covid-19.Também poderá ser abordado relatos pessoais de ações, atividades e reflexões.